Carnaval Multicultural de Natal movimentou R$ 40 milhões segundo IPDC

Carnaval Multicultural de Natal movimentou R$ 40 milhões segundo IPDC

Compartilhe esse conteúdo

A Prefeitura de Natal e a Federação do Comércio do Rio Grande do Norte comemoraram os números da pesquisa sobre perfil e gastos do público no Carnaval Multicultural deste ano. Os resultados, apresentados nesta quarta-feira (22), no Palácio Felipe Camarão, apontam crescimentos na aprovação e participação de natalenses e turistas na festa, além de uma movimentação financeira de mais de R$ 40 milhões nos dias dos eventos, apesar da crise econômica no País.

Segundo os dados analisados pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio – IPDC, o público total, durante toda a festa, ultrapassa as 450 mil pessoas (452.670), superando o ano de 2016, na qual o público estimado foi de 392 mil presentes. Em 2015, a marca atingida foi de 325 mil participantes. Deste público, cerca de 82 mil são turistas, o que comprova um dado divulgado ainda durante o Carnaval Multicultural, que apontou Natal como o terceiro principal destino durante o reinado de momo. Esses dados, do portal booking.com colocaram a capital potiguar à frente de Recife e Salvador, ficando atrás apenas de Rio de Janeiro e São Paulo.

O crescimento quantitativo também gerou uma curva ascendente qualitativa e economicamente em relação à festa. Dos 601 entrevistados, 95,3% afirmaram, este ano, que recomendariam o evento (94,6% em 2016). A nota média subiu de 8,5 ano passado para 8,6 em 2017. Além disso, 57,6% dos pesquisados avaliaram que o Carnaval Multicultural foi melhor que os anteriores.

Economicamente falando, apesar de a crise exercer um forte impacto no perfil dos gastos na festa, tanto de natalenses, quanto de turistas, os dados reforçam a importância do evento para a cidade e para o comércio local. Este ano, de acordo com o IPDC, foi movimentado na cidade R$ 40 milhões (R$ 40.359.369,14), contra R$ 39 milhões em 2016 (R$ 39.062.159,54). Apenas em 2015, quando a crise econômica nacional ainda não havia impactado tanto as famílias, o evento movimentou uma quantidade maior de divisas.

“O que esses números todos representam é que definitivamente o carnaval de Natal voltou. Voltou e veio para ficar. Não digo que foi perfeito, pois a gente sempre tem que melhorar, mas não tenho dúvida que 2018 será ainda melhor”, comemorou o prefeito Carlos Eduardo, anunciando que, logo após a Semana Santa, abrirá o fórum para debates do projeto do próximo ano.

De acordo com o prefeito, além da movimentação econômica, capaz de levar renda e emprego para as famílias, a alegria do natalense nas ruas é uma marca que vale à pena o investimento do Município. “Agradeço aos parceiros e a Fecomércio/RN por estar ao nosso lado. Esses números da pesquisa mostram que estamos no caminho certo. Sem eles ficaríamos apenas no achismo. Mas com os dados podemos inclusive justificar os nossos investimentos”, explicou Carlos Eduardo.

O Prefeito ainda ressaltou que, dos 320 shows, 835 bandas de frevo e 1.155 músicos envolvidos no Carnaval, 95% dos artistas eram potiguares. “Trouxemos grandes atrações, mas o foco foi o músico da terra. Valorizamos o nosso artista e vimos grandes espetáculos por todos os polos que passamos”, afirmou.

O presidente da Fecomércio/RN, Marcelo Queiroz explicou que todas as avaliações feitas pelos pesquisadores apontam para a satisfação do público, seja natalense ou turista, assim como apresentam o crescimento da economia no período carnavalesco. “Ganharam todos. Desde os hotéis, passando pelos pequenos comerciantes, taxistas, entre outros. O Carnaval de Natal é um sucesso sob vários aspectos, mesmo com a questão econômica nacional”, disse.

Além dos dados, que apontam a força do Carnaval Multicultural, uma análise feita pelo IPDC merece destaque. O perfil das pessoas presentes ao evento sofreu uma alteração importante em relação aos anos anteriores. A pesquisa mostrou uma redução da presença na faixa etária entre 25 a 34 anos, mas apresentou um crescimento substancial na faixa etária de 45 a 59 anos nos dias do evento. De acordo com a Fecomércio/RN, essa mudança reforça a presença de famílias e também o crescimento do movimento dos blocos de rua, compostos pelos antigos foliões que voltam a colorir as ruas da capital no reinado momesco. Entre os entrevistados, 58,2% são homens e 41,8% são mulheres.

Outro ponto diz respeito às origens dos turistas que vieram brincar o carnaval na capital potiguar. O Estado de Pernambuco teve o maior crescimento saindo de 2% para 5,7% dos turistas na festa, liderando a presença em Natal, seguido por Rio de Janeiro, São Paulo e Ceará. Tanto entre turistas (18,2%), quanto natalenses (81,8%), o principal motivo para a escolha pelo evento natalense seria a necessidade de economizar.