Cena Urbana / Inorgânicos..., por Vicente Serejo

Cena Urbana / Inorgânicos..., por Vicente Serejo

Compartilhe esse conteúdo

Não é invenção de jornalista. Se fosse, bastaria taxar de sensacionalismo e o perigo logo estaria afastado. A reação não se sentiria tão desnuda. A observação é de Marcos Coimbra que, de resto, não é comunista. Nem seria justo acusá-lo de tão exótica ideologia. Para ele, mais perigoso do que todas as coisas, é o corporativismo instalado na esfera pública que vem consolidando o que ele chama de poder ‘desmesurado de certas corporações no Judiciário, Executivo e Legislativo’.

Na visão do empresário, a direita sempre foi forte aqui no Brasil. Sempre. Na sua avaliação foram ‘raros os momentos em que ela enfraqueceu e teve de partilhar o mando’. Assim mesmo, e sempre, volta furiosa, para usar sua expressão. A direita no Brasil, como a esquerda, já teve bons quadros intelectuais e políticos. Em 1964, lembra Coimbra, foi aos quartéis pedir a deposição de Jango temendo a reforma agrária. Aplaudiu a ditadura, contribuiu com a tortura, louvou o arbítrio.

Um dia, a direita tirou a venda dos olhos e finalmente viu que a sociedade já não suportava mais a ditadura. O general Golbery do Couto e Silva desceu a rampa do Palácio do Planalto sem mais acreditar no governo João Figueiredo. O regime militar estava apodrecido e a direita não teve outro destino a não ser aceitar a redemocratização, detalha Coimbra. Manteve seus mandatos, mas para voltar engendrou um impeachment para tirar o PT e colocar o PMDB com sua banda podre.

Para o analista, nada é novo no quadro que ai está. No papel dos oligopólios que movem os grandes grupos da comunicação, a força econômica dos Estados Unidos pressionando os aliados como o Brasil, como desde 1964, a calhordice de certos setores políticos e empresariais aliados no assalto aos cofres públicos, tudo. Qualquer brasileiro que tenha vivido ou mesmo acompanhado o Brasil das últimas décadas, desde a queda de Jango, sabe que temos sido exatamente assim, não?

E o que há de novo que Marcos Coimbra no seu artigo da revista Carta Capital classifica de ‘A novidade perturbadora?’. Que segundo ele não se encontra nas coisas velhas? ‘A novidade -adverte - é o tamanho que assumiu um personagem que era pouco significativo na vida política, e que ao crescer desmesuradamente, tornou-se fonte de perturbação do jogo democrático. E aponta direto e sempre objetivo:‘São corporações de profissionais de algumas carreiras no Judiciário’.

E Coimbra alerta, ainda, para as disfunções das corporações. Na sua visão, ‘Compartilham atributos. Querem definir por conta própria a missão que têm a desempenhar, rejeitam qualquer controle externo e aspiram a autorregulamentação, legislando a respeito de tudo que lhe diz respeito, a começar pelo que querem ganhar e quais as vantagens e privilégios’. E concluiu como uma maldição: ‘Novo no Brasil é o ‘conjunto inorgânico que se movimenta de maneira perigosa’.

PALCO

SINAL - Vermelho na pesquisa da Certus na avaliação do governador Robinson Faria: ultrapassa aos 81% (81,8%). Paga o preço de jogar um marketing efusivo no rosto dos milhares de salários atrasados.

RISCO - A aprovação da administração do prefeito Carlos Eduardo Alves é superior a 50% (52%), mas ele entra numa zona de risco: a desaprovação alcança os 44%. O seu desempenho já foi bem melhor.

PRESENÇA -O poeta e roteirista Geraldo Carneiro cancelou sua participação da Festa Literária de Natal, entre 9 e 11 do próximo mês. Mas, em compensação, em seu lugar,vem o poeta e tradutor Nelson Archer.

ATENÇÃO - O desgaste do PT parece não ferir a senadora Fátima Bezerra. Sua candidatura, embora ainda não lançada, está em todos os cenários projetados. O que não aponta sua presença num segundo turno.

ALIÁS - Por falar em pesquisa Certus, a bizarrice fica com a estranha afirmação de que o prefeito Carlos Eduardo lidera até nos votos indecisos. Nem João Santana, o bruxo da dissimulação, faria melhor.

GUARAPES - É preciso não perder de vista que a pesquisa Certus está circunscrita aos eleitores de Natal, não do Estado. Mas não deixa de ser uma amostragem mesmo com um ajuste natural em cada município.

OAB - O professor Carlos Gomes autografa no dia 24, terça-feira próxima, na sede da OAB, a segunda edição dos ‘Traços e Perfis da OAB’. Na sede nova da instituição e marcando a festa dos 80 anos.

SINAL -Será amanhã, dia 19, na sede do MP, Macaíba, a audiência promovida pela procuradora Marjorie Madruga sobe os trâmites indispensáveis à obra de restauração do casarão histórico dos Guarapes.

GARANTIA - A idéia da procuradora do Patrimônio e da Defesa Ambiental, da Procuradoria Geral do Estado, é preservar o repasse no valor de R$ 969,2 mil, do Ministério do Turismo, válido até março de 2018.

CONVÊNIO - O repasse foi feito, dentro do Orçamento Geral da União (AGU), para a Fundação José Augusto, órgão responsável pelas obras do patrimônio histórico no âmbito do Estado. A luta é não perdê-lo.

HISTÓRIA - Esta é uma luta de Valério Mesquita, um macaibense que há mais de dez anos reúne forças para a restauração dos Guarapes e que agora passará a ser dos macaibense e das instituições envolvidas.

FLORADA -Nem bem o verão começou - oficialmente, em setembro - os morros daqui se cobrem de manchas lilases das sucupiras em flor. Depois virão os ipês amarelos e por fim virá um dezembro luminoso.