Deputados intensificam debates para aprovar lei que diminui burocracia nos processos de licitação

Deputados intensificam debates para aprovar lei que diminui burocracia nos processos de licitação

Compartilhe esse conteúdo

Os deputados federais devem voltar a discutir nesta semana o projeto de lei que regula as licitações e os contratos públicos no país. O texto (PL 6814/17) sugere a criação de uma norma única que incluiria a administração direta e indireta da União, estados e municípios. A regra também seria aplicada para ações administrativas dos poderes Legislativo e Judiciário, fundos especiais e outras entidades controladas pela administração pública. De autoria do Senado, a proposta ainda depende da aprovação na Câmara para entrar em vigor.

O presidente da comissão especial da Câmara que analisa a proposta, deputado Augusto Coutinho, do Solidariedade de Pernambuco, conversou com a Agência do Rádio Mais sobre o assunto. O parlamentar disse que os parlamentares estão mobilizados e espera que o tema seja aprovado ainda neste primeiro semestre.

“Nós estamos intensificando as audiências públicas. Fazemos dois dias na semana, para darmos oportunidade para todas as entidades representativas e governamentais que queiram se pronunciar, nós estaremos ouvindo, tanto em audiência pública quanto eu e o relator, deputado João Arruda, na própria sala da comissão”, explicou o deputado.

Quem defende a aprovação do texto alega que as regras atuais, reguladas pela Lei 8.666, foram feitas há 25 anos. O relator da proposta, deputado João Arruda (MDB/PR), argumenta que o PL deve atualizar e unificar a legislação.

"Nós temos que aprimorar a 8.666. Nós temos que melhorar essa lei. E não apresentar algo que seja novo. Nós tivemos já o RDC, foi importante para a execução de questões específicas, de obras específicas, mas a gente precisa criar algo mais amplo, que possa atender a todas as áreas”, argumentou Arruda.

Caso seja aprovado, o texto atual de Lei de Licitações e Contratos, a Lei do Pregão e o Regime Diferenciado de Contratações seriam revogados e reduzidos a um único texto.

Uma das mudanças ocorreria no caso dos pregões, por exemplo, em que o texto não se aplicaria às contratações de serviços técnicos especializados, como serviços de engenharia e obras de grande porte. No entanto, seria admitida a utilização de pregão para obras e serviços comuns de engenharia estimados em até R$ 150 mil.

No caso das obras que passarem dos R$100 mil, haveria a obrigação de contratar um seguro de 30% do valor estabelecido na licitação. Nas demais, o valor do seguro seria de 20%.