Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Robert Pattinson interpretará o Batman
 Robert Pattinson interpretará o Batman em uma nova trilogia, cujo primeiro filme já tem data de lançamento para junho de 2021 / Reprodução/JoBlo

Robert Pattinson e o caminho entre Edward e Bruce

Os fãs eu não sei, mas Drácula estaria orgulhoso! Parece que agora ele e Edward Cullen finalmente têm alguma coisa em comum. (Eu precisava fazer essa piada)

Os fãs do Homem-Morcego não parecem muito satisfeitos com a escolha recém confirmada da Warner Bros para o papel do herói nos próximos longas da DC. E eles têm um ponto. A personalidade misteriosa e sombria de Bruce Wayne não combina com a pele gliterizada que marcou a carreira de Robert Pattinson. Contudo, há que se considerar um fator muito importante: Edward Cullen já não existe mais há 7 anos.

Então, sim, há uma chance de sermos todos surpreendidos pela performance do ex vampiro como o novo cavaleiro das trevas. Até porque, para choque de muitos, Crepúsculo não foi o único trabalho da vida de Pattinson. Chega a ser injusto reduzi-lo à saga de Stephanie Meyer, que não é, nem de longe, seu feito mais primorozo como ator. Apesar de não ter emplacado com nenhuma das obras seguintes no mesmo nível da febre teen, Robert chegou a ser muito elogiado pela crítica por seu desempenho no cinema independente. Inclusive, fica a dica para quem quiser desconstruir o estereótipo do adolescente-de-300-anos-branquelo-meio-psicopata-em-abstinência-de-drogas-pesadas: recentemente, Robert Pattinson esteve sob a mira dos holofotes de novo em The Lighthouse, eleito pela Federação Internacional de Críticos de Cinema como o melhor filme exibido no Festival de Cannes deste ano. Não só a obra, como a sua participação foram ovacionados pelos especialistas. Além desse, podemos citar também Cosmopólis e The Rover, dois filmes que testificaram a versatilidade de Robert como ator.

Tendo dito isso, acho que podemos concordar que toda a rejeição que ele vem sofrendo é baseada em preconceitos, pelo menos no que diz respeito à sua capacidade profissional. Afinal, os demais argumentos utilizados oscilam entre o histórico traumático de péssimas escolhas da DC e um ceticismo quanto à qualidade das cenas de ação exigidas para o personagem. Entretanto, essas justificativas também podem ser facilmente refutadas.

Primeiramente, a DC e a Warner fizeram um bom trabalho com Aquaman e Shazam, e um melhor ainda com Mulher Maravilha. O que nos permite dar um voto de confiança de que eles finalmente estão encontrando o caminho, já que foram alguns dos longas mais recentes da parceria. Quanto ao medo dos donos do mundo geek com relação às lutas, aí vai uma informação que pode chocá-los: professores de artes marciais, dublês e efeitos especiais já existem. Além disso, é importante ressaltar que essa versão do Batman trará um personagem mais racional do que estamos acostumados. A DC prometeu apresentar o lado detetive de Bruce Wayne e seus estágios para se transformar no Batman que conhecemos. Então, talvez o filme não traga tantas cenas de ação assim e foque mais no suspense mesmo.

Também considero covardia jogar nas costas apenas do intérprete o sucesso de uma produção. Tenho Ryan Reynolds para provar meu ponto. O salto de Lanterna Verde a Deadpool na sua carreira confirma a teoria: às vezes o ator é bom, só todo o resto é que não presta. Assim também podemos citar muitos outros excelentes profissionais que se meteram em péssimas produções cinematográficas (Nicole Kidman, em A Feiticeita; Halle Berry como Mulher Gato; Mila Kunis e Chaning Tatum em O Destino de Júpiter; e por aí vai… Ah, não vamos esquecer do maior concorrente de Pattinson para o papel até então: Nicholas Hoult, o protagonista de Meu Namorado é um Zumbi). Lição do dia: o passado de todos nós nos condena.

Ainda bem que podemos sempre melhorar e crescer, não é mesmo? Gosto de acreditar que foi isso que aconteceu com os dotes artísticos de Robert Pattinson. Sua trajetória do fim de Crepúsculo até aqui teve vários pontos positivos, mas nada ainda que o livrasse do estigma do vampiro esquisito. Quem sabe não era essa a oportunidade que lhe estava faltando? Eu os convido a dar uma chance e esperar para ver o que Robert tem a nos oferecer na pele de Bruce Wayne. Que a surpresa seja boa e possamos finalmente tirá-lo desse purgatório brilhoso e cruel, amém.

Análise e opinião de Jéssica Vameci