Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

 Bolsonaro disse não acreditar na possibilidade de uma reforma que eleve a idade mínima para 65 anos para todos. / Fábio Motta/Estadão

Idade mínima de 61 e 56 anos para servidores é ‘grande passo’

Presidente eleito, Bolsonaro sustenta a possibilidade de consolidar idade mínima de 61 anos para homens e 56 para mulheres em reforma da Previdência.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse nesta segunda-feira, 5, em entrevista veiculada pela TV Aparecida, que considera um “grande passo” na reforma da Previdência fixar a idade mínima neste ano para servidores públicos em 61 anos para os homens e 56 anos para as mulheres.

Ele disse não acreditar na possibilidade de uma reforma que eleve a idade mínima para 65 anos para todos.

“Não pode generalizar 65 anos (como idade mínima para aposentadoria). Em certas atividades, nem aos 60 é compatível. A expectativa de vida do policial militar do Rio de Janeiro está abaixo dos 60. Então, não é justo”, disse o presidente eleito, que defendeu também a “majoração” em um ano para as demais carreiras.

Bolsonaro voltou a dizer que é preciso respeitar o ambiente político no Congresso Nacional. Para ele, porém, a proposta apresentada será “bom começo”, “algo de concreto” para ajudar na economia.

“Depois das eleições, há um desânimo em Brasília. Não adianta ter boa proposta se não vai passar na Câmara e no Senado”, disse.

O presidente eleito disse também que o Brasil deve buscar parcerias com o mundo todo, sem viés ideológico. Ele defendeu uma agenda de desburocratização para destravar a economia e recuperar o nível de emprego. “Precisamos tirar o estado do pé de quem quer investir. (Precisamos) ter menos participação de Brasília e deixar que Estados possam implementar suas políticas de forma mais objetiva sem viés autoritário do Estado como é feito atualmente”, disse.

Ele disse que não apoiará a permanência do Brasil no Acordo de Paris se a contrapartida for perder “jurisdição” sobre parte do território da Amazônia.

Fonte: Estadão